Conhecendo o Ubuntu Juju

O Ubuntu Juju é utilizado para automatizar a infraestrutura de nuvem, com ele é possível configurar, gerenciar, manter, implementar e escalar de forma eficiente utilizando as melhores práticas em qualquer nuvem pública, privada ou híbrida a partir de uma interface gráfica poderosa ou uma simples linha de comando.

juju-deployment-hero
Fonte: Ubuntu web site

Com o Juju é possível criar projetos e testes em sua máquina local ou diretamente na nuvem, além de possibilitar a movimentação entre as nuvens. Por exemplo: um conjunto de serviços (charms) é criado na nuvem da Amazon e estes mesmos serviços podem ser movidos para a nuvem do Windows Azure, ou seja, a sua infraestrutura não fica limitada entre um ou outro provedor, podendo até mesmo criar estruturas híbridas sem que você tenha que se preocupar com APIs e protocolos.
O Juju suporta os seguintes provedores: Windows Azure, HP Cloud, Joyent, Amazon e IBM.

clouds
Fonte: Ubuntu web site

Os Charms (encantos) dizem ao Juju como gerenciar um serviço, definindo a forma como os serviços são implementados, como eles se conectam a outros serviços e como são escalados. Os charms geralmente incluem toda a inteligência necessária para dimensionar o serviço horizontalmente. Assim, por exemplo, um charm agrupado com o MySQL saberia como adicionar máquinas ao cluster, preservando as relações com todos os serviços. Isso permite que você construa para fora, escalando o serviço que deseja, especialmente na nuvem.
Existem diversos tipos de charms, entre eles o Wordpress, Hadoop, Cassandra, Ceph, MongoDB, MySQL, PostgreSQL, Mediawiki, OpenVPN, Squid e OwnCloud.

homepage-hero
Fonte: Ubuntu web site

Para fazer um test-drive do Juju, acesse o site jujucharms.com e para ver os labs, videos e outras informações interessantes sobre o Juju, acesse juju.ubuntu.com.

Posts Relacionados

Ricardo é especialista em TI e apaixonado por Virtualização. É graduado em Sistemas de Informação e pós-graduado em Gestão de TI, além de possuir várias certificações Microsoft e VMware.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *